Blog Inteligência Emocional

É Possível Separar a Vida Profissional da Vida Pessoal?

Modelo carreiras
Iran Melo

Um dos maiores desafios que enfrentam as pessoas nos seus ambientes de trabalho é saber separar as relações profissionais das pessoais. A ocorrência negativa mais comum diz respeito às “intimidades” que, com o passar do tempo se tornam parte do dia a dia. A tolerância às “brincadeiras inocentes” vai se tornando natural e rotineira até o dia em que BOOOMMMMMM! A bomba explode. Só então você percebe que todos os limites do aceitável foram ultrapassados sem que tenha se dado conta do tamanho do problema que estava se desenhando.

Eu acredito fortemente que é possível separar a minha vida pessoal da minha vida profissional. Ainda que não seja uma das mais fáceis tarefas, tenho a convicção de que todos só têm a ganhar agindo assim.

Somos “bombardeados” todos os dias com conselhos do tipo: “você precisa socializar”, “você não pode levar a coisas ao pé da letra”, “olha, seja amigo de todos porque amanhã você pode precisar de uma rede de contatos”. É verdade, mas se você generalizar e não colocar um filtro ou, deixar de tomar as precauções necessárias para se evitar “misturar” o lado profissional com o pessoal, podem surgir determinadas situações-problema que requeiram medidas drásticas. E quando se chega a esse ponto, todos perdem. As medidas para as correções são necessárias e muito dolorosas, sempre.

Mas se suas relações profissionais já não são mais tão profissionais assim, o que fazer para corrigir o que está errado? Vamos analisar os fatos sob a ótica de duas situações bem distintas. Aquela em que você já tem algum tempo na empresa e, a outra, quando você está iniciando seu trabalho numa nova organização, ou começando no seu primeiro, ou novo emprego.

Situação mais comum

Quanto mais tempo você tenha na empresa, tanto mais difícil será reparar os danos já causados. Você já criou vínculos e intimidades que requerem atitudes drásticas e impopulares de sua parte para cortar o mal que você mesmo criou e alimentou por longos, anos muitas vezes de forma inconsciente, mas que está aí firme e forte como uma rocha que precisa ser explodida e fragmentada até se tornar pó.

A atitude mais ética e recomendável é ter uma conversa aberta e franca com seus pares. Munido de dados, informações relevantes e exemplos de situações em que as intimidades e permissividades foram, e ainda são, a causa de muitos problemas mesmo que superados, convoque a todos para uma “cruzada” contra as brincadeiras “inocentes” e piadas sem graça onde o outro é sempre o foco, estando atento para não se colocar como vítima em nenhum momento mesmo que tenha se sentido como tal. Frases como: “eu não tinha percebido que atitudes como essas poderiam comprometer o respeito entre nós”, ou “antes que a coisa fique sem controle, é melhor mudarmos a nossa postura e forma de nos tratarmos”, têm efeitos poderosos.
Na impossibilidade do diálogo, passe a manter certa distância e observar mais as atitudes das pessoas, sem se envolver. Mantenha a neutralidade mesmo que tenha vontade de intervir ou opinar. Tal atitude de sua parte não passará despercebida, o que fará com que surjam “questionamentos” nas cabeças das pessoas. Você precisará ter inteligência emocional para suportar a “pressão” das caras “feias” e da estranheza de todos aqueles que estavam acostumados a uma forma de tratar com você. A sua capacidade de percepção definirá o momento oportuno para ter aquela conversa aberta e franca que não foi possível ocorrer de imediato, da qual você não pode se furtar. Mais cedo ou mais tarde ela será necessária.

Para ambas as situações, evoque o valor do respeito, da gratidão, da lealdade e da justiça, fazendo dessas palavras sua bandeira de ordem. Palavras têm poder e ajudam a mudar, desde que praticadas. Apenas dizer, de nada vale.

 

Faça parte da nossa lista Vip!

Coloque seu email abaixo para ser avisado quando publicarmos novos artigos!

 

Uma nova situação

Você acabou de chegar à empresa para a qual foi contratado. Ambiente novo, novas perspectivas, novo e desconhecidos colegas e muitos sonhos. Sinta-se premiado com mais uma oportunidade de mudança, pois esta é a grande chance que você tem de expurgar de sua vida todas as vivências ruins do passado. O que fazer?

Tome conhecimento de como funciona a organização, quem faz o quê, quem é responsável por isso e aquilo. Procure saber do RH se é possível passar um perfil das principais lideranças, assim como das pessoas que estarão sob sua coordenação, afinal você é um líder que acabou de chegar e certamente tem desafios para superar, metas a cumprir e resultados para dar. Além de ser um direito seu receber o máximo de informações, soará de bom tom o seu interesse. Jamais faça juízo de valor sobre quem quer que seja. Você acabou de chegar e está ali para contribuir.
Reconheça o faz tudo. Nas pequenas empresas e instituições familiares há sempre alguém que é tido como a pessoa de confiança do dono, do principal executivo. Faz tudo para todos que lhe agradam e para os demais faz o que tem que ser feito. Via de regra é a pessoa que leva e traz, literalmente e em todos os sentidos. Aproximar-se profissionalmente é recomendável, mais ainda é resistir ao desejo de pedir qualquer favor. Esta é regra de ouro. Falar sobre trabalho, tudo bem. Fazer comentários sobre pessoas mesmo que estimulado, jamais.

Mantenha a postura de líder, resista à tentação de entrar nas brincadeiras e comentários que são normais em muitos setores das empresas e entre pessoas mais íntimas, as que se veem como amigas entre si. Lembre-se da sua história anterior, se você a viveu, claro.

Não há uma fórmula mágica que vai mudar tudo de uma hora para outra, fazendo com que todos os excessos praticados o deixem de ser da noite para o dia. Você enquanto líder ou gestor precisa ter as habilidades necessárias para construir um ambiente de trabalho onde a interação social e as relações humanas sejam o ponto de partida para uma convivência inteligente, saudável, produtiva e duradoura. Priorizar o respeito aos valores e às diferenças devem ser vistas como práticas diárias que não podem ser abandonadas jamais.

Sobre o autor

Iran Melo

Iran Melo

Administrador de Empresas e Palestrante. Expert em Auditoria Empresarial, Comex e Logística Internacional, atua como gestor na MR2 Menswear em em Fortaleza - CE. Suas formações em Coaching, Mentoring e PNL lhe dão as credenciais necessárias para disseminar e compartilhar o conhecimento e as boas práticas de gestão. Sua missão está fundamentada no compromisso em ajudar e inspirar as pessoas a reconhecer e desenvolver suas habilidades em benefício de si mesmas e de outras pessoas através do amor, compaixão, integridade, ética, sabedoria e ausência de julgamento.

Deixe umComentário

2 Comentários

  • Eu acredito que é possível separar a vida pessoal da vida profissional.
    Trabalho com minha esposa e sei que não é fácil, mas tenho conseguido todos os dias vencer etapa por etapa e procuramos sempre diferenciar as opiniões para que não deixemos que o pessoal interfira no profissional.

    Iran você acredita nesta possibilidade?

    • Sim, eu acredito na possibilidade de deparar os dois “mundos”, mas não é assim que funciona com a imensa maioria das pessoas. Conseguir esse equilíbrio que você hoje experimenta, só é possível com um exercício diário e ininterrupto. Qualidade de poucos líderes. Parabéns e obrigado por sua valiosa contribuição.